Distrimédica destaca tendências em gestão hospitalar no pós-pandemia

Início » Distrimédica destaca tendências em gestão hospitalar no pós-pandemia

Distrimédica destaca tendências em gestão hospitalar no pós-pandemia

 In capuchino-news

As adaptações deixadas pela pandemia ainda determinarão muitos dos rumos da saúde mundial pelos próximos anos. Desde os profissionais da linha de frente, como médicos, enfermeiros e técnicos, até gestores e profissionais administrativos. Todos que estão envolvidos na rotina de uma instituição de saúde irão precisar se adaptar às circunstâncias e consequências deixadas pela crise, que deixará novos comportamentos para o mercado da saúde nos próximos anos.

Segundo Airton Silveira, diretor da Distrimédica, referência em soluções de saúde, a tecnologia é um grande exemplo disso. Grande aliada no combate à pandemia, ela deve seguir como tendência para os próximos anos. “O teleatendimento e a Inteligência Artificial, por exemplo, tornaram-se recursos fundamentais para otimizar a rotina médica com segurança e precisão. Por isso, gestores de hospitais e clínicas devem estar atentos ao que há de mais moderno em tecnologia na área da saúde, garantindo diferencial de mercado e um serviço de mais qualidade”, afirma Airton.

Além disso, muitos hospitais precisaram adaptar suas estruturas para atender as demandas da pandemia, o que vem levando essas empresas a repensarem seus investimentos. “Na hora da escolha de um equipamento para seu empreendimento médico, é importante estar atento à qualidade, mas, sobretudo, se essa aquisição está alinhada com os objetivos e necessidades do empreendimento. Por exemplo, se vai ser preciso a compra de mais leitos, ou de equipamentos para atendimento preventivo, se há necessidade de equipamentos mais complexos para cirurgias, dentre outros fatores”, destaca o diretor da Distrimédica.

Outra tendência é a personalização do atendimento, que requer adaptações das empresas. “Os pacientes hoje têm um desempenho mais ativo e participativo em seu próprio tratamento. Assim, as empresas de saúde precisam garantir recursos para esse atendimento mais personalizado”, conclui Airton Silveira.

Recommended Posts